quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

DESEJO A VOCÊ....




Desejo primeiro que você ame,E que amando, também seja amado.E que se não for, seja breve em esquecer.E que esquecendo, não guarde mágoa.
Desejo, pois, que não seja assimMas se for, saiba ser sem se desesperarDesejo também que tenha amigosQue mesmo maus e inconseqüentesSejam corajosos e fiéisE que pelo menos em um delesVocê possa confiar sem duvidar
E porque a vida é assimDesejo ainda que você tenha inimigosNem muitos, nem poucosMas na medida exata para queAlgumas vezes você se interpeleA respeito de suas próprias certezas.E que entre elesHaja pelo menos um que seja justo
Desejo depois, que você seja útilMas não insubstituívelE que nos maus momentosQuando não restar mais nadaEssa utilidade seja suficientePara manter você de pé.
Desejo ainda que você seja toleranteNão com os que erram poucoPorque isso é fácilMas com os que erram muito e irremediavelmenteE que fazendo bom uso dessa tolerânciaVocê sirva de exemplo aos outros
Desejo que você, sendo jovem,Não amadureça depressa demaisE que sendo maduroNão insista em rejuvenescerE que sendo velhoNão se dedique ao desesperoPorque cada idade tem o seu prazer e a sua dor
Desejo, por sinal, que você seja tristeNão o ano todo, mas apenas um diaMas que nesse diaDescubra que o riso diário é bomO riso habitual é insossoE o riso constante é insano.
Desejo que você descubraCom o máximo de urgênciaAcima e a respeito de tudoQue existem oprimidos, injustiçados e infelizesE que estão bem à sua voltaDesejo aindaQue você afague um gato, alimente um cucoE ouça o joão-de-barroErguer triunfante o seu canto matinalPorque assim, você se sentirá bem por nada
Desejo tambémQue você plante uma semente, por menor que sejaE acompanhe o seu crescimentoPara que você saibaDe quantas muitas vidas é feita uma árvore
Desejo, outrossim, que você tenha dinheiroPorque é preciso ser práticoE que pelo menos uma vez por anoColoque um pouco dele na sua frente e diga:"Isso é meu"Só para que fique bem claroQuem é o dono de quem
Desejo tambémQue nenhum de seus afetos morraPor eles e por vocêMas que se morrerVocê possa chorar sem se lamentarE sofrer sem se culpar
Desejo por fimQue você sendo homem, tenha uma boa mulherE que sendo mulher, tenha um bom homemQue se amem hoje, amanhã e nos dias seguintesE quando estiverem exaustos e sorridentesAinda haja amor pra recomeçar
E se tudo isso acontecerNão tenho mais nada a lhe desejar
Victor Hugo
feliz 2010

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Meu presente de Natal!!!!


"Quero de presente muito mais amigos
Uma estrela lá no céu Chegou Jesus Papai Noel
Quero a paz neste Natal refletindo a todo mundo
Amor e compreensão para vivermos melhor
E pedir ao Papai Noel de presente uma oração
Pra que seja eterno o Natal e o mundo todo irmão
Quero de presente muito mais amigos
Uma estrela lá no céu
Chegou Jesus Papai Noel
Quero de presente muito mais amigos
Uma estrela lá no céu
Chegou Jesus Papai Noel
Quero a paz neste Natal refletindo a todo mundo
Amor e compreensão para vivermos melhor
E pedir ao Papai Noel de presente uma oração
Pra que seja eterno o Natal e o mundo todo irmão
Quero de presente muito mais amigos
Uma estrela lá no céu Chegou Jesus Papai Noel
Quero de presente muito mais amigos
Uma estrela lá no céu Chegou Jesus Papai Noel!"
FELIZ NATAL A TODOS OS BLOGUEIROS E BLOGUEIRAS QUERIDOS DO MEU CORAÇÃO!!

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Mudei....só até janeiro!!



Resolvi mudar o template, mas não sou boa nisso...procurei...procurei, até que achei porém quase destruí meu blog...

Vou deixar o fundinho branco ai por conta dessa época deliciosa que é o Natal e a chegada do novo ano.

Como é de costume desejar muita paz a todos e o branco esta relacionado a paz...então...já sacaram né...

Um beijinhu pra você que esta passeando por aqui.

Não esqueça de me deixar um alô.

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Corre corre!!!!!


Quando a gente fica muito tempo sem postar, até perde o jeito....esse ritmo de final de ano esta me deixando "gaga"...é verdade...gaga mesmo, é término do periodo escolar, final de jornada de trabalho, preparação para a Natal, preparação para a chegada do Ano Novo...preparação para a chegada de dois netos que aterrisam por aqui, um em março e o outro lá pelo meio do novo ano.

È muita preparação...mas é a corre corre oficial de dezembro, com algumas alternâncias, rsssss

Tenho postado pouco, e tenho visitado os blogs amigos menos ainda...dai que quando consigo entrar, fico meio maluca aqui tentando ler de tudo um pouco....

Bom, minhas férias estão ai...espero colaborar com a blogosfera um pouquinho mais.

Obrigado pelo carinho de todos que passam por aqui.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Estamos perdendo nossa essência?



“Então é Nataaaaaalllllllll, e o que você feeeeezzzzzzzz?”.
O ano termina, e nasce outra vez."

Esse é o refrão que minha mente entoa diariamente desde o inicio do mês de dezembro. Natal, Natal, Natal.
Ahhhhh, o Natal. Árvores enfeitadas, guirlandas coloridas, tapete novo, roupas novas, tudo novo...De novo.
E aquele corre-corre então?
As pessoas andam mais rápido, falam mais rápido, riem com mais rapidez.
-Ele está chegandoooooo!!!
-Quem?!?
-O Natal, ora bolas!!!

Peru, farofa do que mesmo? Pudim ou pavê?
Pernil, chester, tender, vinho, champanhe...Ah, champanhe, por favor,
E os supermercados lotados, lojas lotadas, ônibus lotados, agências de viagens lotadas...Tudo abarrotado de gente querendo consumir, adquirir, usufruir, receber, ganhar, ter, nem que seja tocar em algo que o remeta ao Natal.

"Então é Nataaaaalllllll..."
A voz da cantora Simone me acompanha.

Promoções, liquidações...filas, filas e mais filas....O tempo de Natal acelera a vida nas ruas e aquece o comércio. E os corações?

- Mãe, eu quero uma câmera digital, um vídeo game, um celular, um MP3, um MP4...não eu quero um I-Phone.
- Um o queêêê?

E a Simone me responde:"...Então é Natal, pro enfermo e pro são.
Pro rico e pro pobre, num só coração..."

Afinal de contas, no que foi que se transformou o Natal? Alguém poderia me responder o que quer dizer hoje Natal? Prá que serve além de correria, desespero, consumo e desespero novamente?
Onde foi parar o Espírito de Natal?

O mundo se desenvolve de maneira extraordinária, será que estamos perdendo o essencial, nossa alma e os valores que dão sentido à nossa existência?




Cristina Oliveira
Publicado no Recanto das Letras em 26/12/2007

Vale a pena reler....as questões continuam as mesmas....

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Um conto de amor com cheiro de Néctar de Flor.



BLOGAGEM COLETIVA

Era uma vez um homem que caminhava apressadamente pela vida, deixando rastros de uma falsa alegria por onde quer que passasse. No coração do homem havia uma pontada de dor, uma saudade que tinha cheiro bom, na boca o homem trazia um sabor que nem ele mesmo sabia. O homem já caminhava pela vida há muito tempo, e em toda esquina que virava o coração acelerava porque a esperança se apresentava e ele prendia a respiração imaginando: " É hoje que vou encontrá-la!!"

Era uma vez uma mulher, cheia de marcas que a vida foi deixando na sua face, no seu corpo, no seu coração. A mulher caminhava pela vida já sem muita vontade, já tinha vivido muitas emoções, já tinha sentido muitos sabores, mas ela sabia que faltava um. O mais forte, o mais denso, o perfeito. Ela já não tinha mais o brilho aceso nos olhos, nem o ritmo acelerado de um sonho se aconhegava em seu coração. Mas ela tinha uma alma inquieta e aventureira que apertava vez em quando sua garganta e lá de dentro gritava: "Vá em busca da outra parte da sua vida!!".

O homem dobrava e dobrava esquinas e em cada olhar que parava o seu doce olhar, sentia uma pontada de esperança. Mas ele sabia que ainda não havia chegado a hora de encontra-la.

A mulher caminhava incerta e solitária pela vida e já não percorria rostos na imensa multidão nem firmava seu olhar perdido em nenhum outro olhar carente.

Um dia ele cruzou com uma foto dela e acariciou-lhe o rosto com um pequeno elogio.
Um dia ela agradeceu o elogio e retribuiu com um olhar esperançoso.

Ele sabia. Ela sabia.

Se encontraram e se amaram como se não se vissem há muitos anos. E mataram a saudade secular de seus corações, de suas bocas, de suas mãos e seus corpos. Ficaram lá abraçados durantes horas...hora falando, hora beijando...hora olhando um para o outro.

Entrelaçaram as mãos e através desse aperto souberam que haviam real e verdadeiramente se encontrado.

Permanecem juntos nesta vida. O brilho no olhar do homem é maior. As marcas na vida da mulher já não importam mais.

O sabor que compartilham é único e eles sabem que nada nesse Mundo poderá separá-los, nem a bondade nem a maldade alheia.

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Reflexos


Você costuma se olhar no espelho com frequencia?
Não, não se olhar para ver se a roupa caiu bem, se a maquiagem esta boa, se o cabelo esta brilhoso...se olhar de verdade, no fundo dos olhos, demoradamente...você tem olhado para dentro de si?
Se a resposta foi sim, me responde, o que você vê?

Creio que o auto-conhecimento esta na forma como nos olhamos no espelho, como nos analisamos e então procuramos encontrar as respostas as nossas inquietações.

Nunca fui muito de espelho, passava e olhava a capa...e ia embora, mais uma etapa superada.

Mas, aprendi a parar em frente ao espelho e olhar para dentro de mim. Esse exercício tem sido fundamental para a (re)organização dos meus conceitos, minhas idéias, meus sonhos, meus desejos, meus caminhos traçados....

Enquanto a gente não se encarar, não vai saber o que se passa dentro de nós.

"Sábio é o ser humano que tem coragem de ir diante do espelho da sua alma para reconhecer seus erros e fracassos e utilizá-los para plantar as mais belas sementes no terreno de sua inteligência". Augusto Cury.

E você, o que vê diante do espelho?

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Lutas Diárias


Conta a lenda que um homem ficou horas observando o esforço de uma borboleta para passar o corpo pela pequena abertura do casulo. Num certo momento, parecia que ela havia chegado até onde podia e não tinha mais forças.

Então, ele decidiu ajudá-la: pegou uma tesoura e retirou o que restava do casulo. Assim, a borboleta apareceu facilmente, mas seu corpo estava inchado e as asas, enrugadas. Ele continuou a olhá-la, esperando que suas asas crescessem e se expandissem. Mas isso não aconteceu. Aliás, a borboleta passou o resto da vida se arrastando com o corpo inchado e as asas, enrugadas. Ela nunca conseguiu voar.

O que o homem não conseguiu perceber é que a luta da borboleta para sair do casulo é o modo que a natureza encontrou de fazer o fluido do seu corpo passar para as asas e, assim, prepará-la para voar livremente.

Lembre-se sempre: receber tudo de mãos beijadas não é tão bom assim. As lutas de todo dia são necessárias na nossa existência. Afinal, não seríamos fortes o suficiente e nunca poderíamos voar se não sentíssemos o gosto da batalha e da conquista.


*Karla Precioso, jornalista

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Com licença poética


Quando nasci,
um anjo esbelto,
desses que tocam trombeta, anunciou:
vai carregar bandeira.
Cargo muito pesado pra mulher,
esta espécie ainda envergonhada.
Aceito os subterfúgios que me cabem,
sem precisar mentir.
Não sou feia que não possa casar,
acho o Rio de Janeiro uma beleza e
ora sim, ora não, creio em parto sem dor.
Mas o que sinto escrevo. Cumpro a sina.
Inauguro linhagens, fundo reinos
— dor não é amargura.
Minha tristeza não tem pedigree,
já a minha vontade de alegria,
sua raiz vai ao meu mil avô.
Vai ser coxo na vida é maldição pra homem.
Mulher é desdobrável.
Eu sou.


Adélia Luzia Prado Freitas nasceu em Divinópolis, Minas Gerais, no dia 13 de dezembro de 1935, filha do ferroviário João do Prado Filho e de Ana Clotilde Corrêa. "Moça feita, li Drummond a primeira vez em prosa. Muitos anos mais tarde, Guimarães Rosa, Clarisse. Esta é a minha turma, pensei. Gostam do que eu gosto. Minha felicidade foi imensa.Continuava a escrever, mas enfadara-me do meu próprio tom, haurido de fontes que não a minha. Até que um dia, propriamente após a morte do meu pai, começo a escrever torrencialmente e percebo uma fala minha, diversa da dos autores que amava. É isto, é a minha fala."

terça-feira, 3 de novembro de 2009

O segredo em se viver bem a vida!


Qual é o segredo em se viver bem a vida?

Ter estabilidade? No trabalho, em casa, dentro da familia?
Ter dinheiro e ter saude?
Tirar férias, viajar, dormir bem, passear, nadar, beber com os amigos.
Ter fama e poder?


Não creio que a segredo em se viver bem a vida seja só uma questão de TER. Para mim, quase tudo se resume em SENTIR.


Sentir-se livre para ser aquilo que você sonha;
sentir-se importante para aqueles que você ama;
sentir-se capaz de realizar tudo aquilo que você almeja;
sentir-se forte para enfrentar as tempestades do seu dia a dia;
sentir-se corajoso para criar situações favoráveis a mudanças benéficas em seu caminho;
sentir-se feliz por ter comprado um livro, um cachorro, uma flor;
sentir-se feliz por ter encontrado um grande e tranquilo amor;
sentir-se filho de Deus e dos homens e ser valorizado pelos seus atos, pelo seus percalços, pelas suas conquistas;
sentir-se conquistado pelo calor do sol, pelo brilho suave da lua, pela brisa que acaricia tua face;
sentir-se pleno de emoções por ter um filho, ter um amigo verdadeiro, ter um caminho seguro;
sentir-se apto a lidar com problemas e sentir-se capaz de não criar mais problemas;
sentir-se livre...das horas, dos dias, das normas;
sentir-se completo por ter confiança, por ter certeza, por saber qual o seu destino;
sentir-se crente e fiel ao Criador...sem vergonha, sem preguiça, sem receios;
sentir na pele e no coração a força de um sorriso, o poder de um abraço, a libertação de uma palavra;
sentir a calma, das noites estreladas, das ruas e das calçadas;
sentir o suave sabor da sua alma!


E pra você, qual é o verdadeiro segredo em se viver bem a vida?

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Familia!!!



DEFINIÇÃO:
A família representa um grupo social primário que influencia e é influenciado por outras pessoas e instituições. É um grupo de pessoas, ou um número de grupos domésticos ligados por descendência (demonstrada ou estipulada) a partir de um ancestral comum, matrimónio ou adoção.

O que torna um grupo de pessoas uma familia?
Você nasce dentro de uma constituição dessa e quando cresce forma a sua constituição com um marido e a chegada dos filhos. No meu caso, filhas, são quatro mulheres, mais uma neta...minha constituição é predominantemente feminina. Não que a figura masculina não tenha sua parcela de contribuição, muito pelo contrario, uma familia é formada pelas duas partes a masculina e a feminina, é que algumas vezes a feminina transforma os seus 50% em uma fatia maior, arcando com as responsabilidades da parte masculina...complicado? Deixa pra lá.



O assunto é o seguinte: ter uma familia e se reunir de vez em quando é tudo de bom. A energia que transcorre entre todos é sublime, as manifestações de carinho, os almoços e jantares simples que se transformam em divinos, a troca de idéias, opiniões, os planos futuros, os sonhos de cada um, as crianças que nos ocupam boa parte do tempo, as vontades de cada pessoa ali presente...
É claro que onde tem muita gente reunida sempre acontece alguma coisa, mas nada que não seja superado, esquecido, desculpado...perdoado se for o caso. Entre familiares, os que se amam, se respeitam, não existe problemas maiores que não possam ser resolvidos, reparados. Talves em algumas familias isso seja verdadeiro...mas na maioria não é.

Uma lástima. Porque os momentos que a gente passa ao lado de quem faz parte da vida da gente e tem um laço mais profundo é o nosso gás, nossa força...aquilo que impulsiona, que acalma, que nos enche de esperança.

Como anda o relacionamento com sua familia?
Já deu aquele telefonema que esta adiando faz tempo? Deixou um recadinho? Distribuiu o seu abraço diário? Que seja em quem você considera familia, que seja na pessoa mais próxima, o importante é a manifestação do seu amor.

Meu abraço.

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

SENTIMENTOS...


Texto de Adriana Falcão, adaptação de Mario Prata...muito bem definido os nossos sentimentos, confere ai.


SAUDADE é quando, o momento tenta fugir da lembrança para acontecer de novo e não consegue;

LEMBRANÇA é quando, mesmo sem autorização, seu pensamento reapresenta um capítulo;

ANGÚSTIA é um nó muito apertado bem no meio do sossego;

PREOCUPAÇÃO é uma cola que não deixa o que ainda não aconteceu sair de seu pensamento;

INDECISÃO é quando você sabe muito bem o que quer mas acha que devia querer outra coisa;

CERTEZA é quando a idéia cansa de procurar e pára;

INTUIÇÃO é quando seu coração dá um pulinho no futuro e volta rápido;

PRESSENTIMENTO é quando passa em você o trailer de um filme que pode ser que nem exista;

VERGONHA é um pano preto que você quer pra se cobrir naquela hora;

ANSIEDADE é quando sempre faltam muitos minutos para o que quer que seja;

INTERESSE é um ponto de exclamação ou de interrogação no final do sentimento;

SENTIMENTO é a linguagem que o coração usa quando precisa mandar algum recado;

RAIVA é quando o cachorro que mora em você mostra os dentes;

TRISTEZA é uma mão gigante que aperta seu coração;

FELICIDADE é um agora que não tem pressa nenhuma;

AMIZADE é quando você não faz questão de você e se empresta pros outros;

CULPA é quando você cisma que podia ter feito diferente, mas, geralmente, não podia;

LUCIDEZ é um acesso de loucura ao contrário;

RAZÃO é quando o cuidado aproveita que a emoção está dormindo e assume o mandato;

VONTADE é um desejo que cisma que você é a casa dele;

PAIXÃO é quando apesar da palavra 'perigo' o desejo chega e entra;

AMOR é quando a paixão não tem outro compromisso marcado.

(Mário Prata)

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Moderação de Comentários


Gente, estou adotando a moderação dos comentários.
Como em muitos outros blogs que visito, a moderação se faz necessária pois muitas pessoas acabam deixando comentários ofensivos.
Nesse caso em especial, parece que alguém odeia a Maitê Proença e se dispôs a acabar com ela no post que escrevi.

Sejam sempre bem vindos e deixem seu comentário a respeito do meu trabalho, pois é importante para mim.

Muito obrigado!!
Abraços!!

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Beleza Interior


Hoje em dia a beleza feminina esta em alta, temos milhões de recursos para isso, as melhores griffes, os melhores profissionais na arte da beleza da mulher.
Temos tecidos com o melhor caimento, cores que combinam com tudo, maquiagens para cada tipo e tom de pele, tratamentos, clareamento, bronzeamento, lipo, implante, silicone e o que mais vier.
Tudo para o bem da mulher, para a beleza da mulher.
Por fora somos cada vez mais exuberantes. Nossas representantes mais famosas que o digam, já viram as últimas fotos das famosas? Em cada evento elas estão melhores, em todos os aspectos, lindíssimas em seus penteados, seus vestidos exuberantes, suas jóias, seus companheiros. É. Até o companheiro se tornou um "enfeite" para a mulher. Ele deve ser o "cara" do momento, o mais charmoso, o mais excêntrico, o melhor...

Mas, a questão é:
- E por dentro?
Qual o tamanho da sua beleza interior?
Você se preocupa com esse aspecto em sua vida, de verdade?
Ou veste uma capa e "pega" emprestado os conceitos alheios, sem se importar com o que tem dentro de si?

Você cuida do seu espírito? Da sua alma? Do seu coração?
Como andam seus sentimentos? Os seus melhores sentimentos.
Você ama ao próximo e a si mesmo em pé de igualdade?
Distribui caridade com as mãos e o coração abertos?
Você tem fé?

Quais enfeites você usa para colorir seu interior?

* Bom gente.
Eu realmente me preocupo em ser melhor todos os dias nos meus aspectos mais íntimos.
Se aquele sentimento negro me ataca, vou logo tentando afastá-lo e providenciando os melhores pensamentos, as melhores ações.
É dificil.

Mais fácil seguir em frente, passar por cima e deixar que cada um cuide de si.
Mas sou teimosa.
Esse para mim é um bom sentimento!!
Ás vezes.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Porque será que perdoar é tão dificil?


Então ta, a gente foi ferida, magoada profundamente, e passamos horas pensando nisso, dias revendo a trágica cena em que aquela pessoa que nós tanto estimamos, nos “pisou”, sem dó nem piedade. Sim, aquela pessoa que a gente tanto estima porque só nos magoa quem a gente ama. E ficamos lá alimentando a amargura, a dor, imaginando como fazer a ex- pessoa querida sofrer como estamos sofrendo.

Por algum tempo nem pensamos na hipótese do perdão, afinal, nossa dor é tamanha que perdoar é impossível. Mas depois de algum tempo, essa hipótese vai se ajeitando, abrindo espaço, se instalando e então...pimba! Melhor perdoar e se libertar de tudo isso logo de uma vez!
Ah, como é difícil... perdoar e se libertar.
Perdão e ressentimento andam juntos.

É preciso querer sair dessa teia de dor e sofrimento que erguemos a nossa volta. Entender como é inútil sentir raiva, desejar o mal, torcer contra e invocar a ira divina. Como é simplista se apegar ao “aqui se faz, aqui se paga”.
Como é ingênuo pensar que de alguma forma o não perdoar atinja quem nos feriu. Imaginar que somos capazes de transformar a vida alheia com nossa falta de perdão!

Alguém disse:“Perdoar é diferente; o perdão começa nas entranhas e não precisa ser proferido, declarado. Coisa de foro íntimo e uso interno. Unilateral.”
Perdoar é se desvencilhar daquilo que passou. O perdão liberta o coração do ferimento sofrido, tem a ver com sabedoria, nossa sabedoria, não é assunto dos deuses. Não é um gesto para que o outro mude de vida. Não salva ninguém. É uma conquista pessoal que só beneficia a quem perdoa.

Perdoar é humano, tão humano quanto sofrer. Deuses absolvem. Homens perdoam.
E, atitudes essenciais para qualquer reconciliação são: ouvir, de coração, quem nos magoou, compreender seus motivos e admitir nossos próprios erros. Nada fácil, não é?


Perdoar não é simples como desculpar.
A gente vive se desculpando e desculpando o outro por palavras levianas, atrasos, pequenos prejuízos ou grosserias. Passamos a vida des-culpando nossos afetos das mais variadas atitudes erradas.

Mas isso é assunto para outro post!!

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

DOE-SE..



 
Você costuma deixar coisas para fazer depois?


Geralmente costumamos esperar demais para fazer o que precisa ser feito, estamos sempre deixando para depois muitas coisas que deveriam ser feitas agora. E passamos grande parte do nosso tempo reclamando que não temos tempo para nada, ou lamentando que a vida é curta, ao mesmo tempo que agimos como se tivéssemos à disposição um estoque inesgotável de tempo.

Tem coisas que até podem ser adiadas, porém tem coisas que são imprescindíveis que sejam feitas no exato momento em que são pensadas e sentidas. Não devemos esperar para demonstrar os nossos verdadeiros sentimentos,  esperar demais para dizer as palavras de perdão que devem ser ditas, nem para colocar de lado os rancores,ou esquecer de expressar gratidão e oferecer consolo a quem precisa...

Esperamos demais para manifestar nossa generosidade, dispor de nossa atenção, nossa bondade, nosso compromisso sentimental.

Esperamos demais para dar carinho e expressar palavras de amor aos nossos pais, filhos, irmãos e amigos. Esperamos demais... E, enquanto se espera, as oportunidades passam, os amores se afastam, os filhos crescem, os amigos se dispersam, os sonhos se desfazem.


Comece bem o seu dia. Ofereça o seu amor. Doe-se!!!
Abrace, beije, dê carinho. Distribua compaixão e generosidade.
Não deixe para depois o que você pode fazer hoje.
Bom dia procê!!


quarta-feira, 7 de outubro de 2009

TÔ NEM AÍ....





Tô nem aí pro futuro, pra celulite, tô nem aí para queixas datadas, tô nem aí pro telefone mudo, pros surdos, pro preço do combustível, tô nem aí se vai chover amanhã, se o presidente vai viajar, se vai voltar, tô nem aí.

Pra discussão sobre maioridade penal, violência e barbárie, tô aí. Pro fim desta impunidade que incrementa a bestialização das nossas vidas, tô muito aí.

Tô nem aí pros especuladores da vida alheia, pro Schwarzenegger, pros índices de audiência, tô nem aí se fui convidada ou preterida, quem é a primeira da lista, a segunda, a última, tô nem aí pro novo namorado da Nicole, pras declarações da Luana, quem é gay ou não, com silicone ou sem, se é virgem, se é rodada.

Pros sentimentos das pessoas, tô aí. Para seus desejos e dúvidas, para seus medos e ousadias, tô aí. Para tudo aquilo que tem consistência, para tudo aquilo que nos comove, para o leve e o denso, para a alegria genuína e para o luto, tô aí, sim.

Tô nem aí para quantas calorias tem um bife, tô nem aí pra corrida espacial, se há vida após a morte, tô nem aí pro carro do ano, pra musa do próximo verão, pro gol mais bonito do domingo, pra manchete da capa de amanhã. 

Para a grosseria e a falta de delicadeza que corrói as relações, tô aí. Para a brutalidade das pessoas, pro egoísmo, pra falta de educação e civilidade, para todos que possuem uma nuvem preta acima da cabeça e a carregam pra onde quer que vão, tô aí e me dói profundamente.

Tô nem aí pro que foi decidido na reunião de condomínio, na reunião de cúpula, na reunião de mães, nas reuniões que duram mais de dez minutos, tô nem aí pro salário dos outros, pras novas tendências, pra cotação das minhas ações no mercado externo.

Tô aí pra alguns, pros meus. Tô aí e estou aqui. Estou atenta. Estou dentro. Estou me vendo. Estou tentando. Estou querendo. Estou a postos só para o mínimo, o máximo. Para o que importa mesmo. Para o mistério. A verdade. O caos. O céu. O inferno. Essas coisas.

No mais, tô nem aí. Refrão e desabafo.


Texto da maravilhosa Marta Medeiros!!




domingo, 4 de outubro de 2009

Mudar requer força interior....

Escrevi esse texto em 2006, é um ensaio sobre mim mesma...quase uma confissão.
Faz parte do meu perfil no Recanto das Letras, onde estão as minhas poesias.



**Mudar requer força interior,
poder de decisão, coragem e fé.**


”Há alguns anos decidi mudar meu mundo: estava tudo muito certo,
tudo perdendo a graça,tudo perdendo a cor,
e eu,estava me apagando,
apagando a luz...a minha luz.

Decidi ser mais atuante dentro do meu habitat:
precisava ser mais que mãe, ser amiga
mais que esposa, ser amante
mais que vizinha, colaborar
mais que mero espectador, desligar o televisor.

Comecei a aplicar minhas teorias estudadas e adquiridas no decorrer dos meus quarenta e tantos anos...
Saí da toca, encarei o mundo de frente.
Fiz grandes mudanças, de dentro pra fora
E quando fora, ao meu redor, recicladas
Foram momentos intensos, alguns de alegria e satisfação,
Outros de tristeza e solidão.

As pessoas ao meu redor não compreenderam nada,
Muitas se afastaram, a maioria julgaram,
Afinal, o fim de alguma coisa que se tem por certo
Sempre causa transtornos para aqueles que
Não compreendem.

Mas as mudanças se fizeram necessárias,
Minhas idéias floresceram,
Minhas asas cresceram e de lagarta
Tornei-me libélula...Iluminada, livre.
Alcancei horizontes antes perdidos,
Percorri caminhos desconhecidos,
realizei sonhos esquecidos,
Conheci novas pessoas
Que trouxeram à minha nova vida: Paz.

Mudar requer força interior,
Poder de decisão, coragem e fé.

Hoje posso dizer as pessoas:
Que nada foi em vão
Que o amor vale a pena
Que se doar às amizades compensa
Que a vida é bela
E que tudo valeu a pena...(como disse Mario Quintana)
Hoje, sou feliz. Confiei e acreditei no meu coração.
E segui as suas instruções.”

Tem mais de mim aqui:
http://www.recantodasletras.com.br/autores/crisoliveira



sexta-feira, 2 de outubro de 2009

A Maitê escreve?


Gente.
Eu vivo descobrindo coisas. Claro, como a maioria das pessoas.
E outro dia descobri que a Maitê escreve! A Maitê Proença, gente... a atriz.
E olha, escreve maravilhosamente bem.


Minha chefe chegou outro dia no escritório, colocou na minha mesa um livro e perguntou:
- Já leu?
Olhei a fotinho da Maitê e disse:
- Não... nem sabia que a Maitê escrevia!!
“Entre ossos e a escrita”, um livretinho de crônicas, uma melhor que a outra.
Quisera eu dominar as palavras como ela!!!!
E ainda venho a descobrir que ela escrevia prá uma revista... nossa por onde eu andei?

Numa época não muito remota, tinha muitas revistas em minha casa, a gente assinava umas quantas e ainda comprava mais um monte nas bancas junto com os jornais. Boa época essa, eu tinha tempo de ler no papel. 

O problema hoje é que passei a ler no computador. Nessa época ainda não tinha acesso a internet, não abria sites, não tinha email nem MSN. Saboreava minhas revistas e meus livros em toda parte da casa, do jardim ao banheiro. Ler é o melhor de tudo!

E toda vez que leio alguma coisa boa assim como as crônicas da Maitê... me inspiro, fico cheia de frases novas borboleteando em minha mente, daí não sei se abro o bloco de notas, o Word ou pego papel e caneta.


Algumas frases se perdem, mas a idéia permanece. A idéia de expor o sentimento. Porque escrever é isso: expor o sentimento.Mas como é que eu posso querer escrever tal qual fulano ou sicrano se o sentimento é outro?  Nenhum sentimento é igual ao de outra pessoa. Ou é?

Tudo que a gente sente...o outro também sente...não sei, só sei que cada um encara de um jeito, talves esteja ai a diferença.

Vai escrever sobre amor?
Mágoa?
Dor?
Tristeza ou perdão?
Alegria?
Felicidade
Vida, satisfação?... não adianta
prá escrever sobre tudo isso tem que abrir o coração!

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Selinho


Ganhei dos meus novos amigos: Rebeca e Jota Cê...casal lindo e o blog é um doce.
Cheio de amor!!!

www.nectar-da-flor.blogspot.com



Casal, obrigado.
Um beijão.

As garotas do calendário 2010.


Dez anos após posarem nuas para arrecadar fundos para caridade, mulheres inglesas de meia idade, conhecidas como Garotas do Calendário, tiraram a roupa mais uma vez para lançar um novo calendário. A edição de  2010 traz uma série de 12 imagens inéditas de seis das 11 mulheres que participaram da realização do primeiro, em 1998. O projeto já arrecadou milhões de dólares desde que foi lançado em 1998.


Vários blogs comentaram essa iniciativa, a maioria não condena, mas também não apóia muito...uns blogueiros até pedem "calma" as senhoras.


Atualmente fala-se tanto na plástica da mulher, na beleza exterior, na juventude. Praticamente, depois de uma certa idade, se você não for "sarada" no sentido físico da coisa, não tem muitas chances nos mais variados setores da sua vida.


A idade conta muito também. Uma mulher na meia idade já não tem as mesmas oportunidades que as mais jovens. É necessário que você se estabilize enquanto ainda tem lá seus vinte aninhos, porque depois dos 35 e com aqueles quilinhos que inssistem em se acomodar na sua cintura...fica bem mais complicado. Porém, não impossível.


Com o tempo, as pessoas percebem que apesar de você não ter mais 20 anos, você tem "cabeça", tem cultura, tem conhecimento, tem vontades, tem sonhos, tem idéias, tem sentimentos. E que você sabe sim, perfeitamente o que fazer com tudo isso e ainda que você está "mais a frente" justamente para poder dizer a palavra certa no momento certo, quando eles precisam da gente.


É maravilhoso ser jovem, ter 15, 20 anos e ter a vida toda pela frente!! Mas não esqueçamos que o ciclo é esse: nascer, crescer, envelhecer e partir. Que bom chegar aos 60 anos e ter disposição e coragem para se expor diante do Mundo em uma atitude solidária. Parabéns as Garotas inglesas do calendário 2010.






quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Porque será que pessoas legais moram longe?

Há dias estou pensando nisso:
Porque será que as pessoas legais moram longe?
No orkut por exemplo, a maioria dos meus amigos são legais, pessoas cheias de carisma, inteligentes, alegres. Compartilhando suas emoções e suas alegrias com a gente. Sempre atentos, mandando recadinhos diários e lembretes de todos os tipos...isso faz bem, a gente se sente importante. Provavelmente se não morassem longe, ligariam todos os dias?

Nestes últimos dias andei "vasculhando" uma imensidão de blogs por aqui. Nossa, quanta gente legal!!
Amei a maioria dos blogs e se fosse seguir cada um passaria as primeiras horas da manhã do meu dia visitando blogs e perfil de orkut.
Encontrei tantos relatos interessante de gente interessante, histórias de vida, opiniões de pessoas que eu com certeza sempre quiz ter ao meu lado, mas...porque será que pessoas legais moram longe?

Talves elas sejam legais pelo fato de  ter sempre algo diferente para agregar em conversas, novidades e fatos divergentes aos nossos e por este motivo se tornam legais e interessantes.

Não que eu não tenha pessoas interessantes ao meu lado, pelo contrário...mas, não vou falar aqui da convivência diária....prefiro pensar naqueles que são meus ilustres desconhecidos, pessoas que provavelmente nunca vou conhecer pessoalmente, que nunca vamos nos encontrar nos finais de semana para um churrasquinho, pessoas que não estarão no meu aniversário e que não estarei presente no batizado de seus filhos.

O que faz com que a gente sinta a falta de uma presença da qual nunca tivemos a oportunidade de vivenciar?
Complicada? Eu? Imagina....

Ainda bem que inventaram, o correio, o telefone, os blogs, o orkut, os emails....

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Como você lida com as adversidades?





Tirei esse texto do blog Operação Metamorfose, muito interessante tanto o texto quanto o blog.


Boa leitura!!!


 CENOURA, OVO OU CAFÉ?

Uma filha se queixou a seu pai sobre sua vida e de como as coisas estavam tão difíceis para ela. Ela já não sabia mais o que fazer e queria desistir.
Estava cansada de lutar e combater. Parecia que assim que um problema estava resolvido um outro surgia.
Seu pai, um “chef”, levou-a até a cozinha dele. Encheu três panelas com água e colocou cada uma delas em fogo alto. Logo as panelas começaram a ferver.
Em uma ele colocou cenouras, em outra colocou ovos e, na última pó de café. Deixou que tudo fervesse, sem dizer uma palavra.
A filha deu um suspiro e esperou impacientemente, imaginando o que ele estaria fazendo. Cerca de vinte minutos depois, ele apagou as bocas de gás. Pescou as cenouras e as colocou em uma tigela. Retirou os ovos e os colocou em uma tigela. Então pegou o café com uma concha e o colocou em uma tigela.
Virando-se para ela, perguntou “Querida, o que você está vendo?”
“Cenouras, ovos e café,” ela respondeu.
Ele a trouxe para mais perto e pediu-lhe para experimentar as cenouras.
Ela obedeceu e notou que as cenouras estavam macias.
Ele, então, pediu-lhe que pegasse um ovo e o quebrasse.
Ela obedeceu e depois de retirar a casca verificou que o ovo endurecera com a fervura. Finalmente, ele lhe pediu que tomasse um gole do café.
Ela sorriu ao provar seu aroma delicioso.
Ela perguntou humildemente: “O que isto significa, pai?”
Ele explicou que cada um deles havia enfrentado a mesma adversidade, água fervendo, mas que cada um reagira de maneira diferente.
A cenoura entrara forte, firme e inflexível. Mas depois de ter sido submetida à água fervendo, ela amolecera e se tornara frágil.
Os ovos eram frágeis. Sua casca fina havia protegido o líquido interior. Mas depois de terem sido colocados na água fervendo, seu interior se tornou mais rigido.
O pó de café, contudo, era incomparável. Depois que fora colocado na água fervente, ele havia mudado a água.
“Qual deles é você?” ele perguntou a sua filha. “Quando a adversidade bate a sua porta, como você responde? Você é uma cenoura, um ovo ou um pó de café?”
E você?
Você é como a cenoura que parece forte, mas com a dor e a adversidade você murcha e se torna frágil e perde sua força?
Será que você é como o ovo, que começa com um coração maleável? Você teria um espírito maleável, mas depois de alguma morte, uma falência, um divórcio ou uma demissão, você se tornou mais difícil e duro? Sua casca parece a mesma, mas você está mais amargo e obstinado, com o coração e o espírito inflexíveis?
Ou será que você é como o pó de café? Ele muda a água fervente, a coisa que está trazendo a dor, para conseguir o máximo de seu sabor, a 100 graus centígrados. Quanto mais quente estiver a água, mais gostoso se torna o café. Se você é como o pó de café, quando as coisas se tornam piores, você se torna melhor e faz com que as coisas em torno de você também se tornem melhores.
Como você lida com a adversidade?
Você é uma cenoura, um ovo ou café?

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Uma carta para mim.


São Vicente, 20 de setembro de 2009.

Minha cara Cris.

Estou te escrevendo para te contar algumas fatos incríveis que aconteceram em minha vida, espero sinceramente que possa te ajudar na tua jornada.

Lembra quando decidi largar a escola e ir embora de casa? Naquela época eu tinha 15 anos...nossa, foi incrível, todo um Mundo inteirinho a minha frente, como eu poderia ficar dentro de uma sala de aula medíocre, onde professores medíocres só ensinavam coisas imbecis?
Você lembra disso?
Fui embora para São Paulo na companhia do homem da minha vida, terminei o Ensino Médio, passei no vestibular e entrei para a Faculdade de Psicologia. O máximo não!! Ainda no primeiro ano de faculdade fiquei grávida e tranquei a matricula. Até ai tudo bem, só que depois nunca mais passei nem pela porta de uma faculdade. Mas, segui em frente, porque não se deve ficar parado. Fiquei viúva com minha filha de 9 meses, voltei para casa de minha mãe e fui trabalhar. Conheci um novo homem da minha vida e fui cuidar dessa nova vida que se iniciava, já de cara com mais duas crianças, agora eu tinha 3 filhas. Faculdade? Nem pensar. Trabalhar fora? Nem pensar...mas eu fui mesmo assim. Trabalhei muito para ajudar o homem da minha vida, e aos poucos fui deixando de lado alguns sonhos. Quando eu pensava neles, vez ou outra, eles já não tinham a mesma força de antes, nem a mesma cor...agora meus sonhos estavam desbotados e fracos.

A quarta filha chegou e a familia cresceu mais ainda com a vinda de um neto. Nesse momento eu cresci. Amadureci de uma hora para a outra. Vi a dor e o desespero de perto...minha filha só tinha 15 anos, lembra dela? E já estava com um bebê nos braços!!!
Percebi que, o que nos faz crescer, o que nos torna mais experientes e conscientes diante da vida decididamente é a dor e o sofrimento.
Nesse momento de amadurecimento, descobri que tinha muita coisa pra realizar ainda, eu que me sentia fraca, me fortaleci, afinal alguém precisava de mim, alguém precisava que eu fosse mais que mãe, mais que cozinheira, mais que uma simples faz tudo em casa.


Nessa época, eu pensava que todos os dias eram iguais, e procurava fazer aquilo que as pessoas esperavam que eu fizesse: frequentava a igreja aos domingos, cantava no coral, ia as reuniões de pais e filhos na escola, nunca criava problemas com meus vizinhos, nem causava problemas ao homem da minha vida. Tinha uma vida tranquila...e vazia!
Nada era produzido por mim, nem minhas idéias. Eu sempre me utilizava das idéias alheias, acatando cada opinião como se fosse a única, tudo para mim era universal, e quando um calor me aquecia o peito, fosse numa cena de novela, na página de um livro, em um poema ou em um rosto estranho...eu tratava logo de afastar essa sensação, essa calor. Ia procurar na segurança da minha casa a paz dos meus sentimentos. E o vazio se tornava cada vez maior.


Ah minha cara Cris, mas dentro da gente mora um vulcão e quando ele entra em erupção fica dificil segurar a lava ou mesmo desvia-la. E o tempo é que nos mostra isso.
O homem da minha vida foi cuidar da vida dele, e eu tive que aprender a cuidar da minha e de mais cinco pessoas. Essas pessoas com o tempo também aprenderam a cuidar de suas vidas e a casa foi ficando grande demais para quatro, para tres, para duas...e conheci o terceiro homem da minha vida.


Dessa vez chamei ele pelo nome, desconfiei desse calor desconhecido que se instalava no meu peito, verifiquei cada palavra dita e desconfiei das que foram escritas, contive a ânsia e o desejo. Mas a parte que eu deveria ter sido desde muito tempo, tomou conta de mim, virei quase outra mulher, arrisquei, fechei os olhos, peguei as filhas que ficaram, os meus sonhos descoloridos, as minhas plantas e mudei minha vida - novamente.
Agora, tenho algumas certezas:
Este é o homem da minha vida,
Minhas filhas aprenderam a viver mais cedo e mais rápido que eu na idade delas,
Tenho sonhos...os velhos que voltam com mais força e os novos que chegam cheios de alegrias e esperanças,
Não vivo mais a vida dos outros e nem sou aquilo que esperam de mim, sou aquilo que me apraz ser,
Tenho minha própria opinião e adoro discutir isso,
Em primeiro lugar aquilo que eu sou, aquilo que eu quero, aqueles que eu amo,
Do segundo lugar em diante ficam as coisas que eu ainda não sei, aquelas que ainda preciso aprender a aceitar, as que ainda não vivenciei.

Dessa trajetória, mudaria o fato de ter acreditado em idéias que não eram as minhas, batalharia pela minha especialização, seguiria o que dizia o meu coração naquele momento.

Não trocaria por nada, a chegada de cada uma das mulheres da minha vida, pois foi através delas que aprendi a me conhecer, me valorizar e me amar, nem o terceiro homem da minha vida, pois foi com ele que aprendi a acreditar no amor e a desenvolver a capacidade de amar.

Que esta carta possa fazer dos teus dias, dias mais claros. Que você aprenda que encurtar distâncias não é o melhor caminho, pois só aprendemos a ser nós mesmos depois de viver cada dia que nos foi concedido!

Um abraço especial, de quem te ama muito.
Cris.

Você cuida do seu meio ambiente?


Estamos em uma época de grandes preocupaçãoes e cuidados com o meio ambiente, por todo lado tem avisos, em toda rede tem anúncios sobre os cuidados que devemos ter com a natureza e tudo mais.
O que você esta fazendo?
Já parou para pensar nisso?
Muitas vezes um ato simples executado diariamente pode obter grandes resultados no meio ambiente. E se, o seu ato único causa um resultado desses, imagine todos nós juntos, contribuindo para a melhoria do nosso Planeta.

Se você ainda não tem a menor idéia de por onde começar a ajudar a salvar o Planeta, ou pelo menos a tua cidade, o livro 1001 Maneiras de Salvar o Planeta de Joanna Yarrow, apresenta sugestões variadas para proteção da Terra. Algumas são simples e implicam em meras modificações nos hábitos pessoais.

Outra forma de adquirir conhecimento sobre a questão são os sites dos mais variados que se encontram dicas, idéias, sugestões, conselhos, tudo para que tenhamos mais consciência ambiental e ecológica.

Leia e pratique esssa ação. O Planeta agradece!!


1001 Maneiras de Salvar o Planeta
Autora: Joanna Yarrow
Editora: Publifolha
Páginas: 384
Quanto: R$ 34,00
Onde comprar: nas principais livrarias, pelo telefone 0800-140090.

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Auto consideração!!


As vezes, acordamos com a sensação de que algumas coisas estão erradas: profissão errada, família errada, caminho espiritual errado, sentimentos errados e assim por diante.

Acredita-se que somos o resultado de nossas experiências ao longo de nossa existência, e que todas as nossas escolhas são feitas levando em conta o nosso potencial, então como pode, de repente tudo parecer fora do lugar? Como alguém pode acordar achando que esta na vida errada? De onde vem esses sentimentos amargos, esta sensação de que nós mesmos fizemos tudo errado?

Será que tem dia que a gente não consegue nem organizar nossa própria vida? O que nos falta? Competência?


O jeito é considerar a nossa carência, procurar saber lá de dentro o que realmente esta faltando no nosso dia a dia, tentar suprir e aceitar as "ofertas" do mercado, garantias profissionais, garantias espirituais, garantias emocionais.


Tudo começa a ficar "errado" quando ignoramos que somos perfeitos exatamente do jeito que somos. Se nos aceitarmos desta forma, sem julgamentos, sem comparações, sem medidas, encontraremos o caminho.

Porém, se o nosso coração pede mudanças...porque não? Mudemos, mas mudemos com a certeza de estar mudando aquilo que realmente nos faz mal. Em primeiro lugar: tenhamos consideração por nós mesmas.
Vamos rever nossos conceitos. E parar de procurar no alheio um ponto de referência. Aquilo tudo que já vivemos é o que vale, é a nossa base.


Reconheça-se!!

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Violência contra a Mulher!!



A liberdade e a justiça, são um bem que necessita de condições essenciais para que floresça, ninguém vive sozinho. A felicidade de uma pessoa esta em amar e ser amada. Devemos cultivar a vida, denunciando todos os tipos de agressões ou violência sofridas.


Pesquisa: Percepções e reações da sociedade sobre a violência contra a mulher.


Destaques da Pesquisa Ibope / Instituto Avon (2009)
· 55% dos entrevistados conhecem casos de agressões a mulheres
· Com medo de morrer, mulheres não abandonam agressor
· 39% dos que conhecem uma vítima de violência tomou alguma atitude de colaboração com a mulher agredida
· 56% apontam a violência doméstica contra as mulheres dentro de casa como o problema que mais preocupa a brasileira
· Houve expressivo aumento do conhecimento da Lei Maria da Penha de 2008 para 2009, de 68% para 78%
· Maioria defende prisão do agressor (51%); mas 11% pregam a participação em grupos de reeducação como medida jurídica
· Na prática, a maioria não confia na proteção jurídica e policial à mulher vítima de agressão
· 44% acreditam que a Lei Maria da Penha já está tendo efeito
· Para a população, questão cultural e álcool estão por trás da violência contra a mulher
· 48% acreditam que exemplo dos pais aos filhos pode prevenir violência na relação entre homens e mulheres
Leia mais (http://www.patriciagalvao.org.br/)
Na esfera jurídica, violência significa uma espécie de coação, ou forma de constrangimento, posto em prática para vencer a capacidade de resistência de outrem, ou a levar a executá-lo, mesmo contra a sua vontade.


"Existem vários tipos de armas utilizadas na violência contra a mulher, mas nem todos deixam marcas físicas, como as ofensas verbais e morais, que causam dores, que superam a dor física. Humilhações, torturas, abandono, etc, são considerados pequenos assassinatos diários, difíceis de superar e praticamente impossíveis de prevenir, fazendo com que as mulheres percam a referencia de cidadania.
A violência contra a mulher, não esta restrita a um certo meio, não escolhe raça, idade ou condição social.
Toda a mulher violentada física ou moralmente, deve ter a coragem para denunciar o agressor, pois agindo assim ela esta se protegendo contra futuras agressões, e serve como exemplo para outras mulheres, pois enquanto houver a ocultação do crime sofrido, não vamos encontrar soluções para o problema."
(RENATO RIBEIRO VELLOSO)

Textos recolhidos aqui e ali na web sobre violência contra a mulher.
Apesar do aumento do conhecimento da Lei Maria da Penha, infelizmente o respeito a companheira e a vergonha em cometer tal ato não diminuiu entre os homens. A classe continua implacável na questão da violência. No Brasil, a violência doméstica contra a mulher alcança proporções dramáticas. Segundo a Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, vinculada à Presidência da República, uma em cada cinco brasileiras sofre algum tipo de violência por parte do parceiro íntimo. Embora inquietantes, os números não são capazes de mostrar, por si só, o grau de brutalidade a que essas vítimas são submetidas. Muito mais mulheres fazem parte de estatísticas, e não são para mostrar aumento de capacidade de produção, aumento de salário para a área feminina, aumento de estabilidade...as estatísticas são comprovadamente as mais tristes: mais violencia contra a mulher, mais quantidade de jovens caem nas drogas ou na prostituição, mais crianças (principalmente meninas) são violentadas a cada ano.
A denúncia ainda é o melhor caminho para coagir a violência.

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Re-descobrindo a poesia!!


Gente, eu gosto de escrever poesias, mas não gosto muito de ler poesias.

É complicado...mas a poesia tem que me fazer sorrir ou chorar, tenho que sentir...senão não é poesia pra mim.

E, como de costume, buscando pelas coisas boas da internet, encontrei em uma das comunidades do orkut uma poesia que me fez parar para senti-la:


do amor

não dá de saber

do começo

ou do fim

até aonde irá

ou de como seria

se durasse mais um dia

(Cáh Morandi)


Fui lá no nosso maravilhoso Google e pesquisei pela autora...e re-descobri a poesia!!

Cah Morandi é uma jovem extremamente sensível, o amor se reflete em todas as suas palavras. As vezes parece que sofre desesperadamente, as vezes parece que é imensamente feliz...por pouco, por nada ou por qualquer coisa que faça a diferença no seu dia!


Nem tudo que é vento voa

Nem tudo que é tempo passa

Nem tudo que é medo apavora

Nem tudo que é esperança consola

Nem tudo que é cansaço desanima

Nem tudo que é só isola

Nem todo amigo falha

Nem todo amor fica

Nem todo fogo alastra

Nem toda fome mata

Nem toda hora atrasa

Nem todo corpo casa

Qualquer pouca fé:

Salva.


Boas leituras pra vocês!!

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Eu tenho...


...defeitos difíceis de confessar, especialmente a inveja
Texto de Soninha Francine


Tempos atrás, recebi cumprimentos por ter dito, em um programa de televisão, que tenho inveja. (É bom deixar claro: não fui cumprimentada por ter inveja, mas por ter dito). O tema da discussão era “defeitos que as pessoas não gostam de confessar” ­ em contraponto aos populares “sou perfeccionista”, ou “acredito demais nas pessoas”. Não queria mostrar esse meu lado horrível, mas era essa a idéia.
Minha inveja já foi muito pior, mais violenta, e me fazia sofrer amargamente. Não a ponto de desejar o mal para alguém, torcer para que alguma coisa desse errado. Mas volta e meia me pegava pensando com raiva, com amargor: “Por que não eu?”; “Eu também quero!”
Na faculdade, morria de inveja de quem não precisava sair correndo depois da aula para trabalhar. Quem podia escolher o que fazer: ficar no Centro Acadêmico, passar a tarde na biblioteca, nadar, ir ao cinema. Ah, como eu queria... Como me incomodava alguém ter o que eu não podia ter.
Eu me torturava com as festas perdidas, as viagens não feitas, as turmas que não me incluíam. Parecia que o evento perdido tinha sido o mais divertido de todos os tempos ­ mas, até sem perceber, eu tentava desvalorizar o que não estava ao meu alcance: “Ainda bem que eu não fui. Detesto gente bêbada”. (...)

Inveja é um sentimento ruim. Não creio que faça mal a quem é objeto dela, como reza a crença popular, aquela coisa da “secada” ou mau-olhado. Faz mal ao sujeito da inveja. Envenena, intoxica, corrói. Mas, embora ela seja tão incômoda, é dificílimo reconhecer sua presença. Outras emoções aflitivas gozam de certo prestígio: raiva, ciúme... Sentimentos que as pessoas dizem “eu tenho, sim”. Elas têm defensores, até (“o ciúme é o tempero do amor”). A inveja não, ela é condenada em adesivos: “É uma m*”. “Não me inveje, trabalhe”.

Quem quer dizer que tem?
Admitir é um grande passo. Quando reconheci que o “sentimento de injustiça” que me movia era, no fundo, inveja, comecei a brincar com ela. Confessar a dor-de-cotovelo a tornava menos latejante. Até os mestres budistas admitem que sentimentos assim surgem na mente ­ só que eles conseguem não dar bola para eles. Não usam esse combustível.

Será que alguém é completamente livre de inveja? (...) (Soninha Francine)



Achei o texto interessante, e profundo. Será que temos coragem de admitir sentimentos como esse? Geralmente, a inveja é tão amaldiçoada que a gente já vai logo dizendo: a minha inveja é boa...

Uma inveja nunca é boa, mesmo que não seque a planta da vizinha, a inveja não é boa.

Acredito também no que diz a Soninha, que esse sentimento só faz mal para quem tem, o alvo da inveja não esta nem ai para o sofrimento de quem se corrói.

Admitir o sentimento ruim não deveria servir como muleta. O melhor mesmo é tentarmos não dar corda para ele. E entender quando os outros têm inveja da gente. Afinal, ninguém está livre de ter e nem de causar inveja não é mesmo?

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Amizade.


Navegando pela internet, encontramos milhares de sites voltados para esse tema: amizade.
O que consiste esse laço? Como se dá esse relacionamento? O que é amizade para vocês?

Li em algum lugar o trecho a seguir.

”A amizade é relação de companheirismo, relação de encontro, uma combinação de igualdade. Quem é que mantém uma relação de amizade sem sentir uma irmandade, um sentimento de respeito e consideração pelo próximo, pela a amizade em comum?E é no ombro do amigo que muitas vezes nos confortamos, muitas vezes nos revelamos.Abrimos nossos segredos, intimidades, ou seja, confiança e respeito é a base.E por isso que quando esse elo se perde e é rompido, nos sentimos traídos, apunhalados.”

A amizade se baseia principalmente em:

*Confiança: É a base da amizade. Um amigo que não confia no outro não pode ser considerado amigo;
*Lealdade: Fundamental entre dois amigos.
*Coragem: Num momento de perigo ou ameaça contra um amigo não podemos abandoná-lo. A covardia não combina com a amizade;
*Honestidade: Devemos ser honestos não só em todos os nossos atos, mas também com todos nossos amigos. E para sermos honestos com os outros, devemos primeiro ser com nós mesmos.
È muito difícil encontrar tudo isso em um único amigo, mas não impossível.

Janilson Barros do Amaral, escritor, em um de seus artigos sobre a amizade, afirma que geralmente os bons e verdadeiros amigos a gente conhece desde a infância. Eu discordo neste ponto. Já não tenho mais amigos de infância, nem mesmo lembro o nome deles.

As amizades que tenho hoje em dia são todas construídas neste meu momento, algumas tem pouquíssimo tempo, outras alguns anos, mas amigos de infância, não os tenho mais. Quando somos adultos temos mais discernimento em relação aos nossos atos, e aprendemos a ter cuidados ao escolher e entregar ao outro a nossa amizade.

Outro fator importante nesse tema é a amizade entre homens e mulheres. Você tem um amigo homem? Mas, amigo de verdade, daquele que te ouve, te aconselha, mas não te cantou e nem quis te consolar entre lençóis. Essa é uma amizade difícil de se encontrar, porque nos itens que lemos acima eu acrescento Respeito. É extremamente necessário que entre dois amigos (as) exista respeito, e hoje em dia não se pratica mais esse sentimento, o de respeitar o seu semelhante.

Ter amigos é tudo de bom, e mesmo que tenhamos sofrido alguma decepção com algum “amigo da onça”, nunca devemos fechar a porta do nosso coração para as verdadeiras amizades. Como disse o escritor libanês Khalil Gibran:
“Pois o que seria do vosso amigo se apenas o procurásseis para matar o tempo? Procura-o sempre com horas para viver. Pois ele é para preencher vossa necessidade, não vosso vazio”

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Somos supersticiosas até que ponto?


Quem é que nunca entrou em uma casa nova com o pé direito ou não bateu na madeira para isolar o azar? Algumas superstições já fazem parte do nosso dia-a-dia.
Você é o tipo de pessoa que possui apego infundado a qualquer coisa que lhe dizem, crê em fatos sem fundamento real, segue conselhos que nascem da crendice popular? Se respondeu sim a essas questões, você é supersticiosa, mas não é só isso que determina o grau da sua crença, algumas coisas nós fazemos automaticamente, pois é algo que passa de geração a geração, e vai crescendo com a gente.
Coisas do tipo:
Se sua orelha esquentar de repente, é porque alguém está falando mal de você. E você se pega dizendo o nome dos “suspeitos” até a orelha parar de esquentar? Ou mordendo a gola da blusa desejando que o “tal” morda a língua?


Cruzou com um gato preto? é azar na certa?


Deixa um copo de vidro cheio de sal grosso no canto da sala, para trazer sorte e afastar a inveja?


Não deixa a bolsa apoiada no chão para não perder dinheiro?


Não passa por debaixo de uma escada?


Se a visita é chata, vai logo colocando uma vassoura de cabeça para baixo atrás da porta?


Tem um elefante de enfeite, sobre um móvel qualquer, sempre com a tromba erguida mas de costas para a porta de entrada? E o Buda? Esta lá em cima da geladeira, sobre um prato cheio de moedas?


São Longuinho, São Longuinho? Se pega dando três pulinhos para achar algo que não consegue encontrar de forma nenhuma?


Isso já nem é mais superstição, é tradição, faz parte da nossa cultura e dos nossos ensinamentos. Dificilmente encontramos alguém que não bata com os dedos na madeira diante de uma boa notícia, para resguardá-la dos invejosos ou diante de uma má notícia em evidência, querendo afastá-la.
Fomos criados assim, crescemos vendo nossos pais e avós fazendo tais crendices. É a nossa raiz.


Mas, no que isso nos ajuda? Conseguimos realmente afastar a inveja com ferraduras atrás da porta? Conseguimos atrair boas energias para nosso ambiente, enchendo a casa de sinos, mandalas, trevos, incensos e afins?


Se você Crê.
Esse é o fundamento da fé. Crer firmemente em algo, sem ter em mãos nenhuma evidência de que seja verdadeiro ou real o objeto da crença.

Flávio Gikovate, psicoterapeuta afirma:
“A grande maioria das pessoas pressente a existência de forças não tão concretas a nos cercar. Buscam também nelas algum apoio tanto com o objetivo de se protegerem contra a inveja e as adversidades em geral como para que seus sonhos se realizem. É por essa via que entra o pensamento supersticioso, presente em quase todos nós. Pode não ser de grande valia, mas ações concretas para garantir um futuro melhor também não o são. Por mais que façamos, a incerteza sempre sairá vencedora”


Não custa tentar né?


segunda-feira, 20 de julho de 2009

Salvando a relação.


Como anda a sua relação amorosa? Muitos altos e baixos? Emoções e sentimentos fortes? Ou tudo parece morno e tranqüilo demais?

Se você optou pela primeira alternativa, tome alguns cuidados, estabilidade é bom as vezes, afinal quem não gosta de chegar em casa e achar tudo arrumado, abrir o resultado do exame e saber que tudo esta normal com sua saúde, quem não gosta de ordem na sua vida? Na relação também tem que haver uma certa estabilidade, mas não exagere. Tudo muito certinho acaba virando rotineiro.

A segunda alternativa é quase o termômetro do nosso relacionamento, fortes emoções apimentam qualquer estágio de envolvimento, a gente adora surpresas, massagens, um lingerie novo (de renda!!), um vinho, uma noite especial, enfim tudo que possa apimentar um pouco o relacionamento.

Mas se você respondeu a terceira alternativa esta na hora de aquecer e agitar tudo por ai. Caso ainda não tenha certeza, observe a sua rotina e a do seu amado. Chegaram na fase da discussão? Discutem por tudo e por qualquer coisa? O trabalho é mais divertido que estar em casa ao lado dele? Você prefere conversar com as amigas que com o companheiro?

Melhor reagir. Se você não tomar medidas imediatas a sua relação vai literalmente para o “brejo”, é claro que pode ser uma fase, vocês estão cansados de tanta correria, trabalho, casa, filhos, cachorro, a sogra, o sogro, o clube, a reunião dos filhos na escola, a feira, as contas, o carro, blá blá blá... ufa, isso tudo cansa, e ainda tem mais aquele um milhão de coisas que eu nem imagino, que cada uma passa no seu dia a dia. Mas isso não quer dizer que devemos deixar as coisas “mornas” como estão.

Outro dia estava pensando nisso, no começo da minha relação com meu maridão eu tinha mais disposição, mais idéias, mais fantasias – tão necessárias – em uma relação a dois. Hoje, estou menos criativa. Ainda não chegamos na fase “morna” da relação, o marido não deixa, graças a Deus. Mas é necessário que estejamos atentas. A gente tem a mania de ir se acostumando com tudo, ir deixando prá lá, não falando, não pedindo o que quer. Tem que pedir, com certeza. E retribuir claro. Afinal, eles também gostam de serem amados, cortejados, acariciados.

Em primeiro lugar, converse bastante com seu companheiro, não há nada como uma conversa franca e aberta para descobrirem o que está realmente acontecendo.
Em segundo lugar dedique-se mais a vocês dois e é claro, exija essa mesma dedicação dele, caso ele também já esteja quase retirando o time dele de campo. Vocês precisam encontrar o caminho de volta juntos para que consigam sair da “crise”.

Por último, mas não menos importante quebre a rotina, com certeza essa será a melhor parte. Mande flores pra ele, compre um presente, um vinho, faça um jantar especial. Lembra da letra da música da Simone?

“Pode ir armando o coreto

E preparando aquele feijão preto

Eu tô voltando

Põe meia dúzia de Brahma pra gelar

Muda a roupa de cama

Eu tô voltando

Dá uma geral, faz um bom defumador

Enche a casa de flor

Que eu tô voltando

Pega uma praia, aproveita, tá calor

Vai pegando uma cor

Que eu tô voltando

Faz um cabelo bonito pra eu notar

Que eu só quero mesmo é despentear
Quero te agarrar

Pode se preparar porque eu tô voltando".


Divirtam-se, amem-se! Quebrem a rotina!
Se o seu companheiro não é chegado a coisas diferentes, insista e surpreenda-o.

Você vai ver, vale a pena!!

sexta-feira, 17 de julho de 2009

Meu selinho lindo!!!

Obaaaaaaaaaaaa...meu blog é tão jovem ainda e já ganhei meu primeiro selinho!!!

Estou muito feliz...encantada até, rsssssss


Obrigado Vanessa do http://fadamenina.blogspot.com/ você que é uma artista maravilhosa com todas essas criações, parabéns pelo teu trabalho lindo e tão delicado e muito obrigado pelo meu primeiro selinho.


Então, as regras são:
1. Deve exibir o selinho em seu blog.
2. Postar o link do blog que te indicou.
3. Listar 5 desejos de consumo que a deixariam glamurosa.
4. Indicar suas amigas glamurosas e avisá-las que foram escolhidas.

Meus 5 desejos de consumo:

1. Passar um mês (inteirinho) viajando pela Europa;
2. Uma Eco Sport vermelha...;
3. Minha casa em Fernando de Noronha;
4. Entrevistar o Paulo Coelho, a Adélia Prado, a Ana Carolina e o Djavan...um de cada vez, óbvio!!;
5. Ganhar uns milhões na Mega Sena. Pronto! Só isso, rssssss

Minha quinta regrinha não posso concluir ainda, pois não tenho os 5 blogs para indicar.
Mas assim que tiver os 5 blogs legais prometo voltar ao assunto e postá-los aqui.

Obrigado mais uma vez a Vanessa do Fada Menina.

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Ciúmes? De quem?...





Qual de nós mulheres nunca se sentiu roxa de ciúmes do namorado, marido, companheiro e até mesmo dos nossos filhos, pais e irmãos?
O ciúme é um sentimento muito forte que, em pequenas doses pode até ser saudável, mas quando administrado em doses elevadas pode com certeza destruir uma relação.

E, quando nosso companheiro então resolve dar uma “esticada” de pescoço para o lado daquela gostosona que acabou de passar, ou lançou seus olhares mais demoradamente em cima da concorrente? O tempo pode fechar caso a gente não consiga dominar esse sentimento, absolutamente egoísta, onde a falta de controle é predominante.
Algumas pessoas conseguem até “vislumbrar” situações que envolvem o companheiro e a concorrente. Mas, armar barracos, ficar emburrada, fazer greve e fechar a cara não vai adiantar.

Tem que saber lidar com a coisa toda, e se você for daquela bem ciumenta, então vai precisar de uma boa dose de autocontrole.


Relaxe e evite transformar-se na companheira invejosa e fora de controle que nenhum homem quer.


Esqueça antigas experiências. O que passou, passou. E você não vai poder passar o resto da sua vida amorosa com medo de ser novamente magoada. Embora ser cautelosa é perfeitamente normal e compreensível, não pode culpar o seu atual namorado por uma traição sofrida no passado.


Eleve sua auto-estima. Saiba que a autoconfiança é uma das melhores características que uma mulher pode ter e que os homens mais apreciam. Pare de se auto-rotular e achar imperfeições. Cuide-se! Ame-se!


Procure por atividades que realmente façam bem ao seu ego, seja adulta o suficiente para ter uma boa conversa com o companheiro, (isso no caso de ele ser um “galinha”). Diga-lhe com todas as letras que esse tipo de atitude da parte dele a incomoda e tente resolver a situação com autocontrole e maturidade.
Convença-se que existem coisas que não pode controlar como o passado dele ou o que ele faz quando não está ao seu lado e viva o presente. O tempo que você perde com inseguranças e ciúmes injustificados é um tempo ao qual não se dedica à relação ou a você mesma.


E, se você já experimentou de tudo e ele continua a dar-lhe motivos para ser ciumenta – então talvez esteja na hora de repensar essa relação, dar um tempo ou até colocar um ponto final. Todas nós mulheres merecemos, acima de tudo, um homem que nos respeite e mais vale ser solteira e feliz do que comprometida e taxada de "louca".

Valorize-se!